2010/11/01

Honrando ao Senhor com nossos Bens

 PV 3.9-10

 

"Honra ao SENHOR com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda; E se encherão fartamente os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares."

Queridos irmãos quero essa noite com muita tranqüilidade trabalhar um tema dentro da teologia cristã que tem sido erroneamente ensinada, por muitas igrejas que se dizem evangélicas, e infelizmente este tema tem sido explorado de forma vergonhosa, infame e ate mesmo criminal eu diria. Essa noite quero falar sobre o Dizimo, esse tema tem sido batido tanto em muitas igreja que existe uma confusão generalizada na cabeça de muita gente e por conta disto os abusos acontecem.

Falar sobre dinheiro nas igrejas em geral causa desconforto. Porém como não falar acerca deste assunto? Quase metade das parábolas de Jesus mencionam esse assunto. Além de Jesus, vemos que os apóstolos falavam, ensinavam e corrigiam os crentes no tocante a relação com o dinheiro. Este não é um assunto sem importância, ainda mais com as barbarias que tem acontecido em muitas igrejas a respeito deste assunto.

Temos aqui neste texto de provérbios uma promessa de Deus. Este texto fala de Deus enchendo seu povo com sua provisão. Não se aplica só a celeiros e lagares hoje de forma literal como os judeus daquela época, mas devemos entender que Deus está se referindo á provisão abundante.

É da vontade de Deus queridos irmãos suprir seus filhos materialmente. Há diversas promessas na Bíblia que se referem a esta verdade, e esse era o entendimento do apostolo Paulo     "O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus." Fp 4.19

Contudo querido irmãos, estas promessas não se dão de forma automática, elas na sua grande maioria são condicionais, ou seja, não se cumpre por si só, mas depende de cada um de nós para que possa ser concretizada. Poderíamos dividir esse texto em duas partes: aquilo que nós temos que fazer, e o que Deus fará depois que fizermos a nossa parte.

Existem muitas promessas de provisão e prosperidade que revelam a vontade de Deus para os seus filhos. Contudo irmãos muitos crentes não tem experimentado essas promessas, devido a dois fatores: o primeiro é questão do próprio entendimento desta promessa. Temos ouvido muito sobre as bênçãos do dar e isto é bíblico. Mas a palavra de Deus não nos ensina somente a dar, mas também a forma certa de fazê-lo. E para mim irmãos este texto fala mais sobre a atitude correta que devemos ter ao ofertarmos ou devolvermos os nossos dízimos do que a dádiva em si.

Por exemplo quando afirmamos que Deus responde nossas orações estamos afirmando algo bíblico e verdadeiro não é, mas a bíblia não nos ensina  apenas a orar, mas revela também que existe uma forma correta de fazer isto, percebemos este principio em Tiago 4.2 "pedis e não recebeis, pois pedis mal" ou seja existe uma forma correta de orar.

 Acredito que este mesmo principio se da ao ato de ofertar, e dizimar. Foi por isso que Paulo instruiu os irmão de Coríntios "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria." 2 Co 9.7

O segundo: motivo por que muitos não têm vivenciado essas promessas em sua vida, é por pura desobediência, o que é pior ainda porque já não é uma questão de ignorância, mas sim de rebeldia.

"Porém Samuel disse: Tem porventura o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios, como em que se obedeça à palavra do SENHOR? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniqüidade e idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei." I Sm 15.23-24

 

O PRINCIPIO DA HONRA

Queridos irmãos a maioria das mensagens sobre contribuição faz crer que dizimar e investir num titulo de capitalização é a mesma coisa, você paga o titulo depois recupera valor com juros e correção, dizimar não é isso. É claro que existe bênçãos para aqueles que são dizimistas Malaquias fala das promessas de Deus para os dizimistas o texto é muito claro, mas a pergunta é o que faz com que Deus nos abençoe?

O próprio texto de provérbios nos responde essa pergunta irmãos. Não é o apenas dar em si, mas atitude de honra que demonstramos por trás do dar. Deus não esta interessado em nossa oferta, e sim na atitude que nos leva a entregar-lhe a oferta. Um dos maiores exemplos disto está no que Deus pediu a Abraão: o sacrifício de seu filho Isaque (Gn 22.1-10) na hora de imolar o seu filho, o patriarca foi impedido de fazê-lo, e o Senhor deixou claro que só queria a expressão de honra, e não privá-lo de seu filho. Ao pedir justamente o que Abraão mais amava o Senhor estava dando uma oportunidade de honrá-lo tremendamente.

Este é um principio que Deus usa na lei das primícias, ao pedir ao seu povo que lhe entregasse os primeiros frutos, Deus queria ser distinguido no coração de seus filhos. E quando entregarmos os nossos dízimos e ofertas é uma forma de honrar-mos a Deus.

Ao mencionar a necessidade de dar honra ao Senhor em nossas finanças a palavra do Senhor fala sobre nossos bens e também sobre as primícias de nossa renda. Não se trata apenas honrá-lo com nossos bens e nem tampouco honrá-lo com nossa renda, mas com as primícias da renda.

Deus não instruiu as ofertas porque precise delas, mas para provar nosso coração numa das áreas onde demonstramos grande apego. Com as primícias não é diferente. Deus não precisa dos primeiros frutos, nós é que precisamos dEle em primeiro lugar em nossas vidas,e este é um excelente exercício para manter nosso coração consciente disto.

Entregar ao Senhor as primícias de nossa renda é dar-lhe honra. É distingui-lo.                     É demonstrar o lugar especial que Ele ocupa em nossas vidas. Deus quer ser o primeiro em nossas vidas. A rebelião de Satanás foi tentar tomar o trono de Deus nos nossos corações. Mas devemos manter o Senhor em seu devido lugar.

A bíblia esta repleta de histórias de gente que manteve Deus em primeiro lugar em suas vidas a despeito do preço a ser pago. Abraão se dispôs a sacrificar seu próprio filho, mas não se atraveu a deixar de dar a Deus o primeiro lugar. José foi para a cadeira para não pecar contra Deus numa relação adultera. Sadraque, Mesaque e Abedenego foram lançados a fornalha por recusarem-se a dar uma estátua o lugar que pertence só a Deus. Daniel foi lançado numa cova de leões pela decisão de manter Deus em primeiro lugar. Os apóstolos foram presos e açoitados porque importavam antes obedecer a Deus do que aos homens. Estes são exemplos positivos que nos inspiram a seguir as mesmas pegadas dos que agiram de modo correto, mas também há os exemplos negativos de gente que não fez de Deus o primeiro em suas vidas, e tornaram-se um exemplo a não ser seguido. Como por exemplo, a vida de Caim.

Muita gente acha que o erro de Caim foi trazer a oferta dos frutos da terra, em vez de ofertar um cordeiro, mas com certeza não era esse o verdadeiro problema que fez com que o Senhor recusasse a sua oferta. A lei das primícias fazia com que cada um trouxesse os primeiros frutos do seu trabalho, Caim era lavrador logo deveria trazer dos frutos da terra mesmo, mas porque será que deus não atentou para a sua oferta? Vejamos o texto de Gn 4.3-5:

"E aconteceu que no fim de uns tempos trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao SENHOR. E Abel também trouxe das primícias das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta. Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante."

 Note queridos irmãos quando é que foi que Caim trouxe sua oferta ao Senhor NO FIM DE UNS TEMPOS. Independentemente de quais tempos sejam estes tempos a que a bíblia se refira (tempo de colheita, de ofertas etc.) Caim não honrou a Deus com os seus primeiros frutos.

A entrega das primícias é uma forma de honrar a Deus em primeiro lugar, por outro lado, deixá-lo para fim significa não dar a ele o primeiro lugar, e o Senhor não aceitou isto de Caim, como não aceita isto de nós hoje.

Acredito que o dizimo e as ofertas devem ser nosso item número um no plano de contas de orçamento. Alem de serem os primeiros devem refletir o fato que Deus vem em primeiro. Quando honramos a Deus com nossos dízimos Ele também nos honra em nossas finanças. Por outro lado quando pensamos só em mesmos e não nos preocupamos com as coisas do Senhor, ferimos sua primazia e perdemos suas bênçãos.

 

A MALDIÇÃO DA DESOBEDIÊNCIA

Uma das mais profundas razões de falta de prosperidade financeira é abordada na bíblia como tendo sua raiz no egoísmo e na desobediência na entrega dos dízimos. Se por um lado a lei das primícias nos conduz a benção por colocar Deus em primeiro lugar, por outro lado, deixá-lo por ultimo, e não devolver o dizimo, traz maldição. A palavra de Malaquias é bem clara a esse respeito,

"Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação." Malaquias 3.8-9

Essa é uma cobrança dura do Senhor sobre o povo que não devolvia o dizimo. Sem meias palavras o Senhor os qualificou como roubadores e ladrões. A maldição vem por não darmos a Deus a primazia. Uma dessas maldições esta na questão da semeadura e do saco furado, muito experimentada por quem rouba a Deus.

"Semeais muito, e recolheis pouco; comeis, porém não vos fartais; bebeis, porém não vos saciais; vesti-vos, porém ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o num saco furado." Ageu 1.6

Muito esforço e pouco resultado. Falta de realização na dimensão de conquistas alcançadas. Insuficiência. Tudo isto é visto na vida da pessoa que rouba ao Senhor nos Dízimos e nas ofertas. Esse texto e a mais contundente afirmação de perdas materiais e financeiras inexplicáveis: o saco furado. Mesmo aquilo que tentavam guardar ou economizar sumia como se depositado num saco furado. Vazava como areia seca por entre os dedos do povo hebreu. Exatamente como acontece com muita gente hoje.

Irmãos estes não eram apenas sintomas de um momento de crise econômica, e sim de ausência da benção de Deus. E quando quebramos esse principio, além de não entrarmos na benção de divina, ainda produzimos um efeito inverso, atraímos sobre nós a maldição.

Tem muita gente que passa toda a sua vida pensando unicamente em si mesmo, não fazem nada para Deus, acham que conquistaram as coisas por si só. O egoísmo e a indiferença os prendem e não conseguem pensar em outras coisas alem de si mesmas e recusam devolver aquilo que pertence a Deus e até mesmo investir no seu reino.

Outra questão da desobediência é amor ao Dinheiro, o rei Salomão falou sobre isso:

 "Quem amar o dinheiro jamais dele se fartará; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isto é vaidade." Ec 5.10

Em nossa sociedade a ganância pelo dinheiro tem falado muito forte, e não é preciso muito para sermos afetados. Basta se deixar levar pelo padrão da maioria. A ganância é algo terrível é insaciável. Ela não se realiza, não alcança seus alvos, pois eles estão sempre mudando, ela é perigosa, pois pode encobrir a voz do Senhor em nossas vidas e levar-nos a perder a fé. Há pessoas que são tão apegadas ao dinheiro que fazem dele um deus em sua vida, inclusive dentro da igreja. Dão tanto valor as coisas materiais que perante o Senhor é como se cultuassem um ídolo em sua vida. A bíblia é clara ao revelar que o dinheiro é um concorrente ao senhorio de Cristo em nossas vidas.

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom." MT 6.24

Sabe irmãos dizimar ao Senhor é uma forma de honrá-lo sim , mas também é uma forma de manter esta área sob disciplina.

Irmãos do mesmo modo que satanás apelou para esta área ao oferecer a Jesus, na tentação do deserto, a glória e os reinos deste munjdo, também fará o mesmo conosco por que ele sabe o quão nocivo pode ser o dinheiro e as riquezas na vida de alguém.

 

CONCLUSÃO

Quero concluir amados que o crente fiel não contribui simplesmente porque é uma ordenança bíblica, mas também porque sente prazer em contribuir para manter a obra do Senhor. O dizimo é uma forma de gratidão a Deus pelas benção recebidas e um reconhecimento por sua soberania sobre as nossas vidas. Quando entregamos o dízimo provamos a nossa dependência de Deus e de suas bênçãos e reconhecemos seu senhorio. Mas infelizmente de modo geral muitas Igrejas se tornaram, em nossos dias covardes e avarentos.

Covardes porque não transmitem uma mensagem verdadeira, de que o reino de Deus é digno de nosso melhor na contribuição financeira, não de esmolas como muitos cristãos estão acostumados a fazer. Covardes por que tem procurado a agradar as pessoas com mensagens de prosperidade que mais são tentativas de barganhas com Deus. E avarenta porque muitas delas preferem ficar com seus preciosos dinheirinho no banco ao invés de investir no reino. Avaranta porque muitas pessoas que se dizem cristãos não são exemplos de contribuição em suas próprias comunidades. 


 

Nenhum comentário: