2017/08/04

O Plano de Deus para o seu povo.

Uma das questões mais comumente perguntadas por estudantes da Bíblia diz respeito à relação entre Israel e a igreja. Nós lemos o Antigo Testamento e é evidente que a maior parte dele diz respeito à história de Israel. De Jacó ao exílio, o povo de Deus é Israel e Israel é o povo de Deus.

A despeito do constante pecado do rei e do povo levarem ao julgamento do exílio, os profetas olham com esperança além desse julgamento para um tempo de restauração para Israel. Quando nos voltamos para o Novo Testamento, a mesma história continua e Israel ainda está em cena. Jesus é descrito como aquele a quem se dará "o trono de Davi, seu pai" e aquele que "reinará para sempre sobre a casa de Jacó" (Lucas 1.32-33). Ele é apresentado como Aquele que os profetas previram.

Os primeiros a crerem que Jesus é o Messias prometido são israelitas – André, Pedro, Tiago, João. Mas, nos evangelhos, nós também ouvimos Jesus falar sobre edificar a sua igreja e vemos uma hostilidade cada vez maior entre os líderes de Israel e Jesus. Nós ouvimos Jesus falar de destruir os trabalhadores da vinha e dá-la a outros (Lucas 20.9-18).

No livro de Atos, a difusão do evangelho aos samaritanos e gentios conduz a um conflito ainda maior com os líderes religiosos de Israel. Então, será que Israel foi posto de lado e substituído por essa nova entidade chamada "igreja"?

Alguns dirão que sim, mas a resposta não é tão simples, pois nós também encontramos pistas de que Deus não terminou com a nação de Israel. Ao final de sua declaração de "ais" sobre os escribas e fariseus, Jesus diz: "Desde agora, já não me vereis, até que venhais a dizer: Bendito o que vem em nome do Senhor!" (Mateus 23.39).

No Sermão Profético, ele fala de Jerusalém sendo pisada "até que os tempos dos gentios se completem" (Lucas 21.24). Em Atos, Pedro diz a uma audiência judaica: "Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério, e que envie ele o Cristo, que já vos foi designado, Jesus, ao qual é necessário que o céu receba até aos tempos da restauração de todas as coisas, de que Deus falou por boca dos seus santos profetas desde a antiguidade" (Atos 3.19-21).

Por fim, Paulo diz coisas acerca de Israel que parecem afastar a ideia de total rejeição. Falando de Israel, ele diz: "Pergunto, pois: terá Deus, porventura, rejeitado o seu povo? De modo nenhum!" (Romanos 11.1a).

Queridos irmãos Paulo inicia esse capítulo 11 tratando do futuro de Israel. O povo judeu é um dos maiores milagres da história tem sido preservado por séculos em meio aos perigos mais devastadores, apesar de séculos de perseguição e de muitos planos tramados com requintes de crueldade para eliminá-lo da face da terra, mesmo estando banido de sua própria Pátria pelo espaço 19 seculos, os judeus mantiveram a sua identidade milagrosamente. Em 14 de Maio de 1948 retornaram à sua terra como nação livre, tornando-se então uma nação rica e forte.

Recordamo, por exemplo, como tramaram contra os judeus durante a Segunda Guerra Mundial para aniquilá-los. De 17 milhões de judeus que viviam em 1933, vírgula somente 11 milhões sobreviveram. Seis Milhões foram trucidados nas câmaras de gás, nos campos de concentração.

Qual é o futuro do povo judeu? Voltará esse povo, como nação para o Messias? Haverá despertamento espiritual entre eles? Buscarão os judeus como raça sua salvação na cruz do Calvário algum dia? Será que Deus terminou com esse povo cancelando seu pacto? Resposta a essas perguntas é ponto nevrálgico da exposição de humanos 11

E é o que Paulo esta respondendo nesse capitulo. E Para entender sua resposta, devemos nos voltar ao que Paulo disse até aqui dentro de Romanos.

Em Romanos 1-8, Paulo negou que os judeus tivessem sua salvação garantida com base em seus distintos privilégios enquanto judeus. A fé era a chave, não a etnia ou qualquer tipo de obras. Paulo argumentou que todos os que creem em Jesus são filhos de Abraão.

Ele também argumentou que nenhuma das promessas de Deus falharia. Tudo isso levantaria sérias questões na mente dos seus leitores. O que dizer de Israel? O que fazer com as promessas que Deus lhe fez, à luz de sua rejeição do Messias? Será que a incredulidade de Israel anulou as promessas de Deus? Será que Israel foi deserdado? Será que o plano de Deus revelado ao longo do Antigo Testamento foi arruinado ou descartado? Paulo responde essas questões em Romanos 9-11.

Paulo começa Romanos 9 com um lamento por Israel – seus "compatriotas, segundo a carne" (v. 3).

Pois eu até desejaria ser amaldiçoado e separado de Cristo por amor de meus irmãos, os de minha raça, Romanos 9:3

 Ele então relembra todos os privilégios que ainda pertencem a Israel – incluindo a adoção, as alianças e as promessas (vv. 4-5). No versículos 6a, relembra, que a promessa de Deus não falhou. Nos versículos 6.13, ele explica que a eleição corporativa de Israel nunca significou a salvação de cada descendente biológico de Abraão: "nem todos os de Israel são, de fato, israelitas" (v. 6b). Nos versículos 14-23, Paulo expande isso, explicando que a salvação nunca foi um direito de nascimento baseado na descendência biológica. Ela sempre foi um dom baseado na eleição soberana de Deus.

Em Romanos 9.30-10.21, Paulo descreve a virada ocorrida na história redentiva, a saber, que, enquanto Israel tropeçou sobre Jesus, os gentios estão agora afluindo para o reino. No capitulo 10 Paulo termina falando sobre a rebeldia de Israel e a generosa espera divina. Mas a respeito de Israel, ele diz: "O tempo todo estendi as mãos a um povo desobediente e rebelde".
Romanos 10:21-21

O que Paulo diz, então, levanta a grande pergunta, que ele agora apresenta: "Pergunto, pois: terá Deus, porventura, rejeitado o seu povo? De modo nenhum!" (11.1a).

Esse é o tema básico do capítulo 11. Nos versículos 1-10, e a resposta de Paulo é imediata e peremptória "de modo nenhum !!!" demonstrando que Deus não rejeitou Israel ao distinguir entre o "remanescente" e os "endurecidos".

Em primeiro lugar o apóstolo Paulo usa o seu próprio exemplo. Eu mesmo sou israelita, descendente de Abraão, da tribo de Benjamim.Romanos 11:1-1

Paulo usa um argumento pessoal para provar a sua tese, a salvação de Paulo, um judeu descendente de Abraão e membro de uma das Tribos mais ilustres, era prova cabal e irrefutável de que Deus não rejeita o seu povo

Adolf Pohl afirma que o próprio Paulo era um contra-argumento vivo. A Rejeição de Israel era apenas parcial, uma vez que existe um remanescente fiel a um Israel espiritual dentro de um Israel étnico, um grupo de Israel que crê e um grupo de Israel que não crê, dentro do círculo maior composto de todos os judeus, havia um círculo menor composto pelo remanescente da Graça, ou seja, pelos judeus convertidos a Cristo

Em segundo lugar o apóstolo Paulo da o exemplo de Elias. Deus não rejeitou o seu povo, o qual de antemão conheceu. Ou vocês não sabem como Elias clamou a Deus contra Israel, conforme diz a Escritura? "Senhor, mataram os teus profetas e derrubaram os teus altares; sou o único que sobrou, e agora estão procurando matar-me". E qual foi a resposta divina? "Reservei para mim sete mil homens que não dobraram os joelhos diante de Baal" Romanos 11:2-4

Deus queridos irmãos não é contraditório. Não rejeitou o seu povo a quem de antemão conheceu e amou fez dele o objeto de seu especial deleite e prazer.  E para confirmar a assertiva de que Deus Não havia rejeitado o seu povo, Paulo usa um argumento bíblico citando O Profeta Elias.

Mostrando que mesmo num tempo de generalizada apostasia, nunca faltou na história uma lâmpada acesa. Nunca deixou de existir um remanescente fiel. Mesmo no cenário mais escuro da apostasia o remanescente permanece Fiel.

Nesta passagem, há prova de que a palavra de Deus não falhará, reside na diferenciação entre o verdadeiro Israel e aqueles que são meramente israelitas, entre a descendência verdadeira e aquele que são meros descendentes, assim também, no caso presente, a eleição da graça é a demonstração de que Israel, como o povo, não fora totalmente esquecido por Deus. Apesar da apostasia generalizada de Israel sobrevive um remanescente segundo eleição da Graça.

Então vemos aqui a resposta de Paulo, a todos que acham que Israel não tem salvação, Deus não desamparou a israel…. Deus não desistiu do seu povo. Mas usou a desobediência do seu povo pra trazer a salvação a todos os povos.

Novamente pergunto: Acaso tropeçaram para que ficassem caídos? De maneira nenhuma! Ao contrário, por causa da transgressão deles, veio salvação para os gentios, para provocar ciúme em Israel. Mas se a transgressão deles significa riqueza para o mundo, e o seu fracasso, riqueza para os gentios, quanto mais significará a sua plenitude! Romanos 11:11,12

Paulo então pergunta: "Porventura, tropeçaram para que caíssem?" (11.11a). Qual a sua resposta? "De modo nenhum! Mas, pela sua transgressão, veio a salvação aos gentios, para pô-los em ciúmes" (11.11b). Qual é o significado presente do tropeço de Israel? Paulo explica que isso aconteceu como um meio para trazer uma multidão de gentios para o reino.

O endurecimento de Israel está servindo ao propósito de Deus. A transgressão deles serviu como ocasião para a outorga da salvação aos gentios.

A rejeição dos judeus não foi total nem definitiva, houve um remanescente no passado, há um remanescente no presente e haverá um remanescente no futuro, uma restauração de Israel que servita de benção pra todos os povos da terra

 Paulo afirma: "Ora, se a transgressão dele redundou em riqueza para o mundo, e o seu abatimento, em riqueza para os gentios, quanto mais a sua plenitude!" (v. 12, ênfase minha).

O fato de a maioria de Israel ter rejeitado o evangelho abriu o caminho para a salvação dos gentios Cristo veio para os seus mas os seus não o receberam João 1.12 Porque os judeus rejeitaram a graça vírgula o evangelho foi oferecida a gente os pontos

Paulo antecipa um problema em potencial nos versículos 13-24.

não se glorie contra esses ramos. Se o fizer, saiba que não é você quem sustenta a raiz, mas a raiz a você. Romanos 11:18

Os crentes gentios, por haverem aprendido que eles eram agora o povo de Deus, poderiam facilmente se confundir e achar que isso era motivo para se vangloriarem contra os judeus. Nesses versículos, Paulo os adverte contra tal arrogância e orgulho.

Os ramos silvestres, hoje em dia os crentes, não deve vangoriar-se por terem sido enxertados, nem se gloriar contra os Ramos que foram quebrados, uma vez que não são eles que sustentam a raiz, mas a raiz é que sustenta.

Paulo está dizendo queridos irmãos que os Ramos judeus foram arrancados pela incredulidade e os Ramos silvestres foram enxertados mediante a fé, sem mérito algum, por isso não há espaço para a soberba, mas na verdade é o motivo de temor.

Paulo exorta o gentil abaixar a bola da soberba conclamando-os a meditar na severidade e bondade de Deus, porque se não fosse a graça de Deus que os enxertou na videira e o fizesse concidadãos dos Santos, Eles teriam permanecido para sempre sem vida e sem frutos.

 Paulo adverte aqui queridos irmãos sobre a tendência do Gentil em crer que eles vieram a tornar-se a pedra capital do Tabuleiro, que tomaram lugar de Israel no coração de Deus, de modo algum. Deus não deixou de amar a Israel quando vocacionou o gentil

No versículo 26, Paulo continua a sentença iniciada no versículo 25: "E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador e ele apartará de Jacó as impiedades".

 

 

Evangelismo

"Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas!" Romanos 10:13-15

Irmãos semana passada falamos sobre a soberania de Deus em todas as áreas da criação especialmente no que se refere a salvação. É Deus que exercer sua misericórdia aquém quiser, isso ele deixou bem claro no capitulo 9

..."Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão". Portanto, isso não depende do desejo ou do esforço humano, mas da misericórdia de Deus. Romanos 9:15,16

E agora neste capitulo 10 ele nos mostra que apesar dessa salvação depender dEle, cabe a nós proclama-la, Ele põe sobre nós, seus filhos, uma responsabilidade que não podemos ignorar. A mensagem da salvação precisa ser proclamada em todo mundo, a cada criatura, até os confins da terra. Deus tem seus escolhidos e eles ouvirão a voz do pastor e o seguirão. E é nossa responsabilidade de despertar esses escolhidos através do anúncio das boas novas.

Anunciar as boas novas é levar o evangelho as pessoas e por isso que chamamos o ato de compartilhar esse evangelho ao outro de evangelismo.

A palavra "evangelismo" vem da palavra grega "evangelizomai", cuja definição é literalmente "levar as Boas-Novas."

A Bíblia define Boas-Novas em 1 Coríntios 15:3-4 "Eu passei para vocês o ensinamento que recebi e que é da mais alta importância: Cristo morreu pelos nossos pecados, como está escrito nas Escrituras Sagradas..."

Evangelismo é compartilhar as Boas-Novas, dizendo que a morte, sepultamento e ressurreição de Jesus Cristo venceu o pecado. O pecado nos separa de um Deus santo, mas as Boas-Novas, é que podemos nos aproximar de Deus e ter a certeza da eternidade com Ele no Céu, se acreditarmos em Jesus Cristo. Este dom de um relacionamento sem fim com Deus está disponível para todos... mas nem todos já ouviram as Boas Novas...por isso o evangelismo é muito importante!

"Evangelismo não é uma opção na vida cristã". - Luis Palau

Antes de ascender ao céu, as últimas palavras de Cristo foi um mandamento aos seus seguidores para compartilhar as Boas-Novas,

  "Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores..." Matthew 28:19a é um mandamento!!!

"Evangelismo não é ser um vendedor. Não é insistir com as pessoas, pressionando-as, forçando-as, esmagando-as ou subjugando-as. O evangelismo é levar uma mensagem, é relatar boas notícias". – Richard C. Halverson é falar o que Deus tem feito em sua vida...

E o seu papel querido irmão é fundamental para que sua família, seus amigos, seus colegas de trabalho, as pessoas que o cercam venham conhecer Jesus. Você deve ser um agente influenciador.

"Em todos meus anos de ministério, uma coisa que tenho notado é que o aspecto mais importante e efetivo do evangelismo normalmente acontece no nível pessoal e individual. A maioria das pessoas não chegam até Cristo por ouvir um sermão em lugar lotado, mas chegam à Cristo por meio da influência de apenas uma pessoa". - John MacArthur

Eu tenho certeza que dentro deste auditório no minimo 99% das pessoas aqui presente conheceram a Jesus através de alguém.

Ao longo dos séculos, Deus tem usado homens e mulheres para compartilharem as Boas-Novas. Evangelistas conhecidos como D.L. Moody, John Wesley e Billy Graham fizeram do evangelismo seu trabalho principal. Às vezes, como no ministério de Billy Graham, o público é grande. Outras vezes, Deus concede à um evangelista uma pessoa.

Em 1893, Helen Cadbury entendeu o poder de compartilhar as Boas Novas de uma maneira tão profunda, que reuniu um grupo de meninas e juntas costuraram bolsos em seus vestidos e levaram cópias do Novo Testamento para compartilharem essas Boas-Novas. Foi este o começo da Liga do Testamento de Bolso. E, por causa dessa visão de evangelismo que ela teve, os membros da Liga do Testamento de Bolso têm compartilhado mais de 110 milhões de Evangelhos de bolso.

Queridos aprouve a Deus usar você como instrumento de poder nas mãos dele para pregar a salvação. Isso é um privilegio... "Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregação. 1 Coríntios 1:21

A sabedoria humana é incapaz de chegar ao conhecimento de Deus, mas Deus se agradou em salvar aqueles que creem por meio da loucura da pregação. A pregação não salva, a salvação nos é concedida pela graça e obtida pela fé em Jesus, por isso Deus salva os que creem. Mas como crer? Através da pregação.

Ela é o instrumento de salvação, pois leva a Palavra de Deus que é "viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração". Hebreus 4:12. 

A pregação, o anuncio das boas novas, a evengelização, embora desrespeitada e escarnecida por muitos, é o instrumento escolhido por Deus para que os homens creiam e sejam salvos. Desde a antiguidade tem sido assim. O próprio Noé, não somente construiu a arca para salvação dos que cressem, mas, também foi "pregador da justiça" (2 Pedro 2:5).

A palavra traduzida para o português por "pregador" nesta passagem, em grego é keryks e era utilizado para alguém que clama publicamente, um instrutor da vontade divina, um arauto do evangelho de Jesus. Nas monarquias medievais, o arauto era um oficial importante do reino que fazia as publicações solenes, anunciava a guerra e proclamava a paz.

Os muitos profetas de Israel também foram pregadores. Isaías, referindo-se a sua pregação e à de todos os demais profetas, indagou: "Quem creu em nossa pregação?" Isaías 53:1 Também é mencionado que os "ninivitas [...] se arrependeram com a pregação de Jonas" Mateus 12:41

O profeta Zacarias, por sua vez, falando ao povo de seus dias perguntou: "Não ouvistes vós as palavras que o SENHOR pregou pelo ministério dos profetas que nos precederam [...]?" (Zacarias 7:7).

Nas primeiras páginas do Novo Testamento encontramos "Naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judeia e dizia: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus." (Mateus 3:1-2).

Logo depois, o maior de todos eles: "[...] foi Jesus para a Galileia, pregando o evangelho de Deus, dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho." (Marcos 1:14-15).

Na sinagoga de Nazaré, Jesus publicamente leu uma profecia de Isaías sobre Si mesmo a qual dizia: "O Espírito do Senhor está sobre Mim, porque Ele Me ungiu para pregar boas novas aos pobres" (Lucas 4:18 NVI; ver Isaías 61:1), indicando que fora escolhido e capacitado por Deus para essa tarefa.

A própria escolha dos discípulos tinha como propósito que eles, depois de aprenderem de Jesus, continuassem a obra da pregação. A esse respeito é dito que Ele "designou doze para estarem com Ele e para os enviar a pregar e a exercer a autoridade de expelir demônios." (Marcos 3:14-15). Pedro, referindo-se à missão que o grupo apostólico recebera do Senhor, asseverou que Ele "nos mandou pregar ao povo e testificar que ele é quem foi constituído por Deus Juiz de vivos e de mortos" (Atos 10:42).

Na igreja apostólica a pregação era uma atividade prioritária. As curas, os milagres e outras ações específicas eram acompanhantes da pregação. "E eles, tendo partido, pregaram em toda parte, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra por meio de sinais, que se seguiam." (Marcos 16:20).

Deus coopera com aqueles que evangelizam e ainda mais no verso 15b ele diz: "Como são belos os pés dos que anunciam boas novas! " Romanos 10:15 Isso demonstra querido irmão a importância do evangelizador, neste texto o apostolo Paulo esta fazendo uma citação de Isaias 52.7 e transporta o episódio de um mensageiro que anuncia o fim do cativeiro para o mensageiro que anuncia as boas novas da salvação.

O evangelizador tem os seus pé formosos por causa da mensagem que leva, a mensagem da graça, a mensagem da reconciliação, a mensagem da salvação. A igreja (eu e você) é o instrumento apontado por Deus para a salvação dos homens. Foi organizada para servir e sua missão é levar o evangelho ao mundo. Desde o princípio, tem sido plano de Deus que, através de Sua igreja, seja refletida para o mundo Sua plenitude e suficiência. Aos membros da igreja, a quem Ele chamou das trevas para Sua maravilhosa luz, compete manifestar Sua glória.

"Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina." (2 Timóteo 4:1-2).

Entretanto querido irmãos o Apostolo Paulo lança um pergunta que precisamos responder ele diz: E como ouvirão, se não há quem pregue?14b

A maior dificuldade hoje, como corpo e representantes de Cristo na terra, é entender o princípio cristão com relação à evangelização. Uma ordem foi dada: "Ide por todo mundo e pregai o evangelho" Mc 16-15

 O compromisso primordial e prioritário de cada cristão, individualmente, deve ser com a evangelização. Porque encontramos dificuldade com relação à evangelização? Porquê muitos dizem não ao IDE? Porquê muitos dão de ombro ao trabalho evangelístico? Estas tem sido algumas das muitas perguntas que tem permeado a minha mente. O que nos tem levado a negligenciar esta ordenança divina?

1 – IDENTIDADE

Penso que seja um problema de identidade, nós precisamos assumir nossa identidade de povo de Deus. Para entender nossa missão ou nossa razão de ser, devemos saber muito bem quem somos.  Há três ideias básicas que estão ligadas a este conceito.

1.1) O Povo de Deus é um Povo Escolhido. A igreja é uma comunidade de pessoas escolhidas pelo próprio Deus. Moisés afirmou: "0 Senhor, teu Deus, te escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que há sobre a terra" (Dt 7.6). "Vós, porém, sois raça eleita… ", afirma Pedro (1 Pe 2.9).

1.2) O Povo de Deus é um Povo Chamado. O chamado de Deus é a essência do conceito neotestamentário sobre igreja. "EKKLESIA" significa a comunidade daqueles que foram chamados e reunidos em Cristo e por Cristo (Mt 16.18). "E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou. . /'(Rm 8.30).

1.3) O Povo de Deus é um Povo Comprometido. Deus e o seu povo estão comprometidos através da aliança da graça. Por meio dessa aliança e de seu sacrifício, Jesus introduziu cada crente na presença imediata de Deus, transformando cada crente em sacerdote junto a Deus.

Esta comunhão com Deus dispensa a mediação de qualquer outro cristão ou casta sacerdotal. Sob a nova aliança, cada cristão está capacitado para cumprir as funções sacerdotais. "Porque foste morto e com -o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes" (Ap 5.9-10).

 "Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo". 1 Pedro 2.5:

"Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz". 1 Pedro 2.9:

Conhecendo a nossa identidade como membro do corpo de Cristo, devemos sentir grande lealdade à igreja. Não podemos ser individualistas ou egoístas, pois fazemos parte de algo muito maior que nós mesmos. Não há nada mais importante em nossas vidas que isto.

Somos sacerdotes de Deus não apenas entre os cristãos, mas também entre não cristãos. Lutero disse que se o sapateiro tivesse apenas seu último dia na Terra ele deveria fazer o melhor sapato de sua vida para a glória de Deus. Ele serviria ao Senhor fazendo o melhor para sua comunidade

2 - SENTIMENTO DE INCAPACIDADE

Muito filhos de Deus não se acham capacitados para anunciar as boas novas e isso tem sido umas das maiores desculpas e ao mesmo tempo mentiras que satanas colocou na mente de muitos cristãos.

É Deus que equipa aqueles que envia com tudo que é necessário para a tarefa em vista. Homem nenhum por natureza se qualifica para o anunciar do Evangelho. Todos são pecadores, todos se têm perdido, todos são fracos na carne.

Entretanto  você é aquele que foi escolhido por Deus desde lá da eternidade passada. Você é aquele que Deus salvou dos pecados, aquele que foi justificado pelo trabalho de Cristo na cruz, aquele que Deus acordou para a vida eterna pelo Seu Espírito, aquele que Deus lhe deu fé para nele viver, aquele que Deus tem guiado no caminho correto, aquele a quem Deus revelou o Seu Filho, aquele que lhe garantiu graça. Depois de todas estas verdades você tem alguma duvida de que já foi capacitado para anunciar as boas novas? A suas qualidades, a sua autoridade no falar e o que falar vem dEle.

Deus chama aqueles que são nada em seus próprios olhos e nos olhos deste mundo para anunciar o Seu Evangelho. E tendo chamado esses homens é Deus que os prepara para tarefa em vista – porque o trabalho é todo do Senhor – para este fim: para que "Aquele que se gloria glorie-se no Senhor."

3 – DESOBEDIENCIA

E somente nós, os cristãos, temos este pleno conhecimento. Como poderíamos, então, deixar de falar de Cristo? Tendo conhecimento das motivações anteriores, chegamos a conclusão que o ato de não evangelizar é um ato de profundo egoísmo. Sendo, assim, um pecado.

O egoísmo tem tomado conta da maior parte dos cristãos, onde não há nenhuma preocupação com relação àqueles que ainda não aceitaram a Cristo; Esta inversão de princípios e prioridades tem nos levado a uma vida egocêntrica, soberba, medíocre, onde as nossas vidas estão em primeiro lugar, e o Reino de Deus está em segundo lugar ou mais atrás ainda.

... Me é imposta esta obrigação; e ai de mim, se não anunciar o Evangelho." (1 Coríntios 9:16)

Paulo, escrevendo aos Coríntios sobre sua vocação, assume uma atitude de obrigatoriedade. Para o Apóstolo, o crente não deve pensar que cumprir sua vocação seja uma questão opcional. Nossa vocação, qualquer que ela seja, faz parte do plano divino, para o estabelecimento do Seu Reino. Dizer "não" ao chamamento divino é dizer "sim" a uma vida espiritualmente absurda. Na qual, mesmo sabendo o que é que nos completa, na vida abundante que o Senhor quer nos conceder, mesmo sabendo de nossa responsabilidade pessoal, optamos por não cooperar, por não fazer nossa obrigação. Se minha vocação é ser professor, ai de mim se não ensinar. Se minha vocação é ser diarista, ai de mim se decidir não cuidar bem da casa.

Ai de mim, se me negar a ser o que Ele quer que eu seja.

Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não dá fruto, ele corta; e todo que dá fruto ele poda, para que dê mais fruto ainda. João 15:1,2

 

 

A soberania de Deus

Texto: Romanos 9.14-29

 Boa noite irmãos… esta noite quero falar sobre a soberania de Deus. Retomando então Rm.9 Paulo trata de um assunto que é básico a crença biblica e ao louvor biblico. E todo cristão deve ter conhecimento desta doutrina biblica.

A Soberania é uma característica de Deus, faz parte da Sua essência. Quando entendemos e reconhecemos a soberania de Deus, passamos a entender uma série de outras coisas na vida. Muito da incompreensão de coisas que estão escritas na Bíblia, é a causa do problema de pessoas não aceitarem o fato de que Deus é soberano.

A soberania significa que eu tenho de me humilhar diante de Deus e reconhecer que Deus é tudo e eu sou nada. Se a pessoa não reconhece que Deus é Soberano, como ela poderá entender quando Tiago diz "alegrem-se por passar provações na vida"? Ou, então, como posso ser salvo sem fazer nada?

 O pregador Spurgeon deleitava-se em proclamar esta grande doutrina e podia proclamá-la tão bem quanto qualquer outro que conhecemos. O leitor fará bem em considerar diligentemente o seguinte parágrafo escrito por esse príncipe entre os pregadores:

"Não existe atributo de maior conforto aos Seus filhos que o da soberania de Deus. Nas condições mais adversas, em provações mais severas, eles crêem que a soberania ordenou as aflições, que a soberania os governa, e que a soberania os santificará.

Ao mesmo tempo não há doutrina tão odiada pelos mundanos, doutrina tão maldita, quanto esta grande, estupenda, tão certa doutrina da soberania de Deus. Os homens permitem que Deus esteja em qualquer lugar menos no Seu trono. Permitem que Ele esteja em Sua instituição de caridade dispensando esmolas e outorgando bênçãos.

 Eles permitem que fique em sua oficina modelando mundos e fazendo estrelas. Eles permitem que Ele sustente a terra e os pilares dela, ou os luminares dos céus, ou que Ele governe sobre as ondas do incansável mar; mas quando Deus ascende ao Seu trono, Suas criaturas rangem os dentes e quando proclamamos um Deus entronizado e Seu direito de fazer como bem quiser com os seus, dispor de Suas criaturas se quiser sem consultá-las sobre o assunto, então é que os homens se fazem de surdos."

 Define-se a Soberania de Deus como o exercício de Sua supremacia. Deus é o Ser supremo e independente. Somente Ele, em todo o universo, tem o direito e o poder de fazer absolutamente o que Lhe agrada. Não há perigo de Deus perder Seu trono, nem precisa da permissão de ninguém para reinar. Ele é o único que tem o direito de agir para Sua própria glória. A soberania de Deus significa que Ele faz o que Lhe agrada. Deus tem controle sobre tudo de acordo com Sua vontade e para o louvor de Sua glória.

"Tudo o que o Senhor quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos". Salmo 135:6. "Mas nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou". Salmo 115:3 Ele age soberanamente…

 SOBERANIA NA CRIAÇÃO

Deus agiu como Soberano em Sua obra da Criação. Ele não criou nada por necessidade, mas unicamente por Seu prazer soberano. E, ao criar, era livre para fazer o que era do Seu agrado. Não criou por causa das criaturas, pois a criatura deve existir para seu Criador e não o Criador para a criatura

O Senhor faz tudo com um propósito; até os ímpios para o dia do castigo. Provérbios 16:4

Pois dele, por ele e para ele são todas as coisas. A ele seja a glória para sempre! Amém. Romanos 11:36

 "Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas". Apocalipse 4:11.

 SOBERANIA NA ADMINISTRAÇÃO

Deus é Rei Soberano em Seu universo. Ele está no controle de tudo, de todos, dos demônios e de Satanás. Ele reina em todo lugar como Lhe apraz. Não precisa pedir conselho a ninguém. Controla e dirige o reino da natureza. As Escrituras raramente usam a expressão "chove", antes lemos que Deus manda a chuva. Mateus 5:45. Atos 14:17. Jó 28:26.

Contudo, não ficou sem testemunho: mostrou sua bondade, dando-lhes chuva do céu e colheitas no tempo certo, concedendo-lhes sustento com fartura e enchendo de alegria os seus corações". Atos 14:17

Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos.
Mateus 5:45

Quando ele determinou a força do vento e estabeleceu a medida exata para as águas,
quando fez um decreto para a chuva e o caminho para a tempestade trovejante,
Jó 28:25,26

A Bíblia não atribui o retorno das estações às leis da natureza; entretanto ela diz que Deus muda os tempos e as estações. Ele muda as épocas e as estações; destrona reis e os estabelece. Dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos que sabem discernir. Daniel 2:21

Jó não falou de sua doença como sendo a causa de morte, mas olhou para Deus e disse: Sei que me farás descer até a morte, ao lugar destinado a todos os viventes. Jó 30:23

Em face de muitos inimigos que procuravam tirar-lhe a vida, Davi clamou ao Senhor dizendo: "Os meus tempos estão em tuas mãos". Salmo 31:15.

E existem exemplos do controle de Deus e Sua direção sobre as criaturas irracionais. Ele fechou a boca dos leões para que não ferissem a Daniel. Ele fez as vacas deixarem as crias, algo contra as leis da natureza, e dirigirem-se a Israel levando a arca de Deus. 1 Samuel 6:12.

Deus também controla os homens, sejam eles bons ou maus, individual ou coletivamente. Sobre os ímpios, Ele exerce o poder de refrear. Ele não permite que façam tudo o que a sua natureza gostaria de fazer. Deus disse a Abimeleque: "Eu te tenho impedido de pecar contra mim; por isso não te permiti tocá-la". Gênesis 20:6.

Quantas vezes se diz que Deus não infringirá no livre arbítrio do homem. Mas se Deus não houvesse controlado o coração de Abimeleque, esse rei pagão teria ofendido a Sara. Sim, O coração do rei é como um rio controlado pelo Senhor; ele o dirige para onde quer. Provérbios 21:1.

Deus estava controlando e dirigindo a vontade de Ciro, rei da Pérsia, quando ele ordenou a construção do templo em Jerusalém. Esdras 1. Deus estava controlando e dirigindo Tito e seu exército na destruição de Jerusalém. A Bíblia o chama de "seus exércitos" em Mateus 22:1-7

SOBERANIA NA SALVAÇÃO

Com isto queremos dizer que Deus não era obrigado a salvar Suas rebeldes criaturas. Este Seu propósito de salvar foi completamente uma dádiva para o louvor de Sua graça. Ele poderia mandar todo pecador ao inferno e continuar sendo absolutamente justo.

A soberania na salvação também implica que Deus salva quem Ele desejar. "Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer". Romanos 9:18.

E era isso que eles irmãos que o apóstolo Paulo está trabalhando nesse texto que nós lemos. Alguns expositores insinuavam que o ensino de Paulo acerca da soberania de Deus da salvação tornava Deus injusto por conceder a uns assume de corte e ignorar outros, aplicando e a Eles sua santa irá.

1)    A misericórdia divina não é merecimento humano 14-16.

E então, que diremos? Acaso Deus é injusto? De maneira nenhuma! Pois ele diz a Moisés: "Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão". Portanto, isso não depende do desejo ou do esforço humano, mas da misericórdia de Deus. Romanos 9:14-16

Paulo defende a justiça de Deus proclamando sua misericórdia, mostrando que aqueles que acusam Deus de cometer injustiça estão redundantemente equivocados, Uma vez que, quando se trata de salvar pecadores, Deus não se baseia em justiça, mas em misericórdia. Deus não deve misericórdia a nenhum homem. Por exemplo: as palavras ditas a Moisés revelou misericórdia enquanto as dirigidas a faraó apontou para o seu poder julgador.

Deus é glorificado tanto e sua misericórdia como da Vindicação da sua justiça. Como todos não merece nada além da ira, ninguém pode reivindicar a misericórdia como direito. Assim, Deus não é injusto quando deixa que alguns recebam ajusta recompensa por seus atos. Pois, embora ele deva punir o pecado não está sob nenhuma obrigação de exercer misericórdia. Não a base justa para se reclamar de Deus. Mateus 20.15

A eleição de Deus não provém da vontade ou do esforço de Jacó, nem de homem algum, isto é, não vem seus bons desejos ou ações, suas boas inclinações de obras, nem da previsão dessas coisas; vem puramente da misericórdia e boa vontade Deus.

2 ) Dar ao homem o que ele merece não é arbitrariedade ou injustiça de Deus. 17

Pois a Escritura diz ao faraó: "Eu o levantei exatamente com este propósito: mostrar em você o meu poder, e para que o meu nome seja proclamado em toda a terra". Romanos 9:17

Deus queridos irmãos não é injusto por dar aos homens o que eles merecem. A escolha de alguns para vida eterna inevitavelmente implica rejeição de outros, isso está no exemplo que foi dado entre Moisés e faraó, as mesmas escrituras que anunciam misericórdia Moisés anunciam também o poder de juizo a faraó.

Então com respeito a salvação, Deus deu a Moisés o que ele não merecia, e Deus de uma faraó quanto ao juízo o que ele merecia. Nisso não é justiça da parte de Deus irmãos, pois ele ignora alguns enquanto concede graça os outros. Ele tem o direito de fazer isso, porque não deve sua graça nenhum homem.

Nesse sentido o surpreendente nisso tudo, não é que uns sejam salvos e outros não, mas que pelo menos alguém se salve. Afinal de contas, perante Deus nenhum de nós merecem coisa alguma no seu juízo.

2)    Deus endurece os endurecidos e dá a eles o que merecem 18

Portanto, Deus tem misericórdia de quem ele quer, e endurece a quem ele quer.. Romanos 9:18

Deus nos mostra desse texto através do apóstolo Paulo queridos irmãos, que Deus endurece os endurecidos. Jamais haverá o caso de um indivíduo desejoso de ir a Cristo mesmo sendo rejeitado.  Os repobros, perversos, são aqueles que deliberadamente rejeitam a graça.

 Por isso, a doutrina da rejeição é a contrapartida da doutrina da eleição, pois a eleição de alguns implica inevitávelmente a rejeição de outros.

e, "pedra de tropeço e rocha que faz cair". Os que não crêem tropeçam, porque desobedecem à mensagem; para o que também foram destinados. 1 Pedro 2:8

Pois certos homens, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Estes são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor. Judas 1:4

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado. Mateus 11:25,26 Essas duas doutrinas permanecem em pé ou caem juntas.

O que Paulo está tentando dizer irmãos, é que assim o homem entra no céu inteiramente pela graça e vai para o inferno inteiramente por causa do seu pecado, nós não vemos na palavra de Deus e em nenhum lugar,  Deus enduressendo alguém que já não tenha endurecido a si mesmo.

Tomamos por exemplo novamente a vida de faraó. Está muito claro nas escrituras que faraó endurece o seu coração contra Deus e reiteradas vezes recusou arrependesse. Consequentemente o gesto de Deus ao endurecendo foi um ato de juízo, abandonando a própria obstinação, da mesma forma que a ira de Deus contra os ímpios se expressa entregar-los a própria depravação.

Então queridos irmãos o endurecimento é uma reação de Deus a dureza do coração humano Deus confirma Estela uma situação que não foi ele quem criou o endurecimento é o juízo de Deus sobre o pecado, e não uma decisão arbitrária de Deus em relação endivido com vistas a excluído da salvação e da condenação. Então espantoso não é o fato de Deus combinar o pecador por sua justiça, mas de Deus salva-lo por sua graça.       

E a partir do verso 19 então, nós vemos uma atitude insolente do homem contra Deus em quichar-se de Deus e Paulo então ele tratar dessas queixas com cinco verdades importantes.

1-    É que Deus tem o direito de fazer o que lá pras com suas criaturas. 9.19-21 

Mas algum de vocês me dirá: "Então, por que Deus ainda nos culpa? Pois, quem resiste à sua vontade? "

Mas quem é você, ó homem, para questionar a Deus? "Acaso aquilo que é formado pode dizer ao que o formou: 'Por que me fizeste assim? ' "O oleiro não tem direito de fazer do mesmo barro um vaso para fins nobres e outro para uso desonroso? Romanos 9:19-21

Deus é o criador, e nós somos criaturas. Deus é Santo, e nós somos pecadores. Deus é soberano, que nós somos limitados. Deus é o goleiro, e nós somos o barro. E aí isso que as pessoas não entendem é por isso que as pessoas não não quer entre na soberania de Deus. Queixar-se de Deus é o cúmulo da petulância queridos irmãos, é o máximo da arrogância.

Assim como o pão não pode querer colocar-se no lugar do oleiro nem questionar-lo, também não podemos colocar nos no lugar de Deus nem por em xeque o seu direito absoluto e inalienável de dispor suas criaturas como lhe apraz. Deus tem o pleno direito de lidar com humanidade caída conforme queira, seja de acordo com a sua íra ou ou com a sua misericórdia.        

2) Deus tem o controle da vida do homem, e não um homem da vida de Deus.       20-21

Paulo queridos irmãos usar a figura do leite do pau para ilustrar autoridade Deus sobre as criaturas.  muitos torcem a cara para essa doutrina porque vivemos numa geração o mocinho clica e outro pular clica, que busca sofregamente substituir o criador pela criatura. O homem moderno besuntado de toda soberba quer destronara Deus e acender o seu trono. Aquele que não passa do pó e cinza quer arvoraste quanto criador e colocá-lo no banco dos réus para julgá-lo.

É Deus, contudo, quem está no controle de todas as coisas, e não a mim. Não é o homem que manipula Deus, é Deus quem molda o homem como oleiro faço com o barro.

É Deus, contudo, quem está no controle de todas as coisas, e não a mim. Não é o homem que manipula Deus, é Deus quem molda o homem como oleiro faz com barro. 

3)    Deus é glorificado tanto na salvação dos eleitos quanto na condenação dos réprobos

E se Deus, querendo mostrar a sua ira e tornar conhecido o seu poder, suportou com grande paciência os vasos de sua ira, preparados para destruição? Que dizer, se ele fez isto para tornar conhecidas as riquezas de sua glória aos vasos de sua misericórdia, que preparou de antemão para glória, Romanos 9:22-23

Os vasos de ir são os impenitentes, aquele esquecendo desceram eu foram edurecidos, aqueles que rejeitaram e foram rejeitados, aqueles atendeu suportou com paciência e quem manifestou poder do seu juízo. Os vasos de misericórdia são aqueles a quem Deus escolheu por sua graça para sobre eles derramar sua misericórdia e dar-lhes a riqueza da sua gloria.     

4)    Deus por sua graça da o que não merecemos.

ou seja, a nós, a quem também chamou, não apenas dentre os judeus, mas também dentre os gentios?

Como ele diz em Oséias: "Chamarei 'meu povo' a quem não é meu povo; e chamarei 'minha amada' a quem não é minha amada", Romanos 9:24,25

Paulo deixar bem claro aqui que existe mãos que a graça não é concedida por critério técnico, cultural ou religioso, pois Deus chama seus eleitos não só dentro judeus, mas também dentro gentios. Mesmo vivendo sem Deus no mundo ele nos tornou seu povo. Mesmo sendo inimigos de Deus ele nos fez amados.

Mesmo vivendo sem esperança e sem Deus no mundo, morto nos nossos delitos e pecados, Deus nos transformou em seus filhos, membros da sua bendita família.

5) deus escolhe por sua graça para salvação um remanescente fiel.27-29

Eleição da graça é para o remanescente. A salvação não é endereçada a todos os filhos de sangue de Abraão, mas o filho da promessa, não esqueçam israelitas por nascimento, mas aos que são crentes pelo novo nascimento.        

 

SANTA CEIA

Boa noite irmãos, graça e paz…

Nesta noite queridos irmãos Deus tem uma palavra viva ao seu coração, amém!!!, quem está desejoso de ser tocado pelo Espírito Santo no seu intelecto, em seu coração, em suas emoções amém, então preste atenção fique atento ao que Deus vai falar ao seu coração. Fiquemos em pé.

Pois recebi do Senhor o que também lhes entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse: "Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim". Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: "Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim". Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venh 1 Coríntios 11:23-26

Nessa noite queridos irmãos eu quero falar sobre perdão, nessa noite eu quero falar sobre renúncia, nessa noite queridos eu quero falar sobre frustrações, nessa noite eu quero falar queridos irmãos sobre amor, nessa noite eu quero falar irmãos sobre sofrimento, nessa noite queridos irmãos  eu quero falar sobre sacrifício. Nessa noite eu quero falar sobre a Santa Ceia do Senhor.

Querido irmão talvez você não tenha a dimensão da importância da celebração Santa Ceia  na vida da igreja, mas principalmente em sua vida!  talvez você não tenha parado para pensar o quanto você é privilegiado em poder fazer parte dessa mesa nessa noite.

Talvez para você é apenas mais um momento que costumeiramente nós celebramos no primeiro domingo do mês, talvez pra você este é mais Um rito como todos os outros, como tantos outros que cumprimos dentro da igreja. Talvez você tenha apenas uma consciência teológica racional do que é santa ceia, você sabe o que ela representa o sacrifício de Jesus por tudo humanidade você tem esse conceito cristão conceito teológico em sua mente.

Mas eu quero convidar você essa noite querido irmão a vivenciar a Santa Ceia na sua vida, a desenvolver a partir de hoje um relacionamento com esse Deus que proporcionou essa mesa tão bendita…

A Santa Ceia queridos irmãos nos convida a uma intimidade com Cristo, com o Espírito Santo de Deus e com Deus Pai, a Santa Ceia queridos irmãos nos convida a desenvolver uma vida profundamente espiritualizada, essa noite Deus está chamando você querido irmão, chamando esta igreja a uma comunhão mais íntima e mais profunda no relacionamento com Deus.

Muitas lições aprendemos com esse texto, percebemos a humanidade de Jesus neste texto, precisamos ter em mente que Jesus era Deus, mas também era homem e por ser homem estava sujeito a todos os sentimentos e emoções que acometem o seres humanos, as nossas dores, angustias, sofrimentos foram experimentas pelo mestre. É por isso que ele entende o que eu e você passamos.

1) Um dia sombrio: O texto inicia dizendo que "na noite em que Jesus foi traido." Queridos todos nós temos em nossas vidas uma dia que a gente pensa "porque levantei da cama hoje"… sabe aquele dia mal, um dia de angustia, um dia sombrio a qual gostaríamos de nunca ter de enfrentar. É perca do emprego, é o descobrimento de uma doença, é a perda de um ente querido que tanto amamos, é o medo.(edson). Todos nos passamos por esse vale, Jesus como homem também vivenciou esse momento

Jesus estava vivenciando um desses dias sombrios, a sua hora havia chegado, a missão precisava ser concretizada. A noite sombria inicia-se com a frustração e o sentimento da dor de ser traído por um amigo, a frustração de ser apunhalado pelas costas, traído com um beijo por um discípulo que aprendeu aos seus pés, que caminhou com ele. É o sinal que as coisas ficariam mais difícil dali para frente…

Participar da Santa Ceia é lembrar que todos nós enfrentaremos dias sombrios, dias angustiosos e de muita dor. Mas também é lembrar que em meio a essa caminhada de sofrimento e dor, que em meio a esse vale da sombra da morte não estaremos sozinhos, pois o nosso mestre trilhou esta caminho e sabe o que precisamos. E em meio a muitas lágrimas poderemos dizer nestes dias como disse o salmista Davi. O teu bordão e o teu cajado me consolam. Sl 23.4b

2) Gratidão deve fazer parte de nossas vidas independentemente das circunstâncias. "tendo dado graças"

Celebrarmos a Santa Ceia é lembrarmos que as dificuldades da vida não podem tirar a doçura do nosso amor a Deus. As circunstancias, os acontecimentos inesperados e ruins, as dificuldades não podem abalar o nosso amor a Deus, o nosso apreço pela vida. Não podem calar a nossa gratidão, não podem emudecer-nos…

Jesus mesmo sabendo que o sobreviria, mesmo entristecido no mais profundo da sua alma, ele nos ensina a agradecer pelas coisas simples da vida. A gratidão é um tapa na cara do diabo e dos seus demônios pois eles são a essência da insatisfação. A falta de contentamento é uma das armas do inimigo contra a vida do crente. Uma pessoa insatisfeita é uma alma aprisionada escravizada por satanás.

Cristo nos deixa um exemplo a ser seguido, celebrar a Santa Ceia, é celebrar a gratidão, é entender que não estamos debaixo da opressão das circunstância, ela não nos dirigem. O apóstolo Paulo nos da exemplo neste sentido também.

Não estou dizendo isso porque esteja necessitado, pois aprendi a adaptar-me a toda e qualquer circunstância. Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Fp 4.11-12

A gratidão está baseada em quem Deus é e não no que ele pode fazer, Jesus sabia quem era o seu Pai, conhecia intimamente e suficientemente para saber que era amado por ele e isso circunstância nenhuma poderia tirar a gratidão do coração dele.

Celebrar a Santa Ceia queridos irmãos é sentir-se agradecido pelo amor que Deus demonstrou na cruz por  nós.

3) O Senhor voltará "anunciais a morte do amor até que ele venha"

Celebrar a Santa Ceia queridos irmãos é lembrar que o Senhor está voltando. É estar atento que volta do Senhor é eminente, ele virá buscar a sua igreja o seu povo. Celebrar a Santa Ceia é pergunta-se se você está preparado para encontrar com o Rei dos Reis. Quando ele vier ele separará o joio do trigo, o bom e o mal, a ovelha e o cabrito. Celebrar a Santa Ceia é uma chamada ao arrependimento, para que você não seja encontrado dormindo o sono da desobediência, o sono da religiosidade. O sono da morte eterna.

Celebrar a Santa Ceia é ouvir o clangor da trompeta anunciando os inadvertidos a entrada triunfal do rei da gloria.

Abram-se, ó portais; abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da glória entre. Quem é o Rei da glória? O Senhor forte e valente, o Senhor valente nas guerras. Abram-se, ó portais; abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da glória entre. Quem é esse Rei da glória? O Senhor dos Exércitos; ele é o Rei da glória! Pausa Salmos 24:7-10

Celebrar a Santa Ceia é uma chamada ao despertamento. "Desperta, ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo resplandecerá sobre a tua pessoa".  É uma chamada a salvação.

4) Sacrifício. Celebrar a Santa Ceia queridos irmãos é lembrar do sacrifício que Cristo fez por nós, é entender que a maior prova de amor que Deus poderia demonstrar ao homem está sobre essa mesa simbolizada pelo pão e pelo vinho. Deus extravagantemente amou você querido irmão(a)entregando a morte o seu maior tesouro.

a) "este é o meu corpo dado por vós"

Este verso fala de renuncia, Jesus se entregou por vontade própria, ele não apenas obedeceu a vontade do seu Pai, mas ele o fez de bom grado, com alegria, ele renunciou a sua vida, a sua majestade, o seu eu, o seu poder, para que hoje você pudesse estar aqui. Jo 10 .18

Celebrar a Santa Ceia, é celebrar a vitória do amor, é celebrar o perdão a todos que se aproximam pela fé… quando comemos do pão estamos nos alimentando deste amor sacrificial.

b) "este é o meu sangue derramado por vós"

Não existe algo mais precioso ao ser humano do que sangue, sangue é vida, quando Jesus derrama seu sangue naquela cruz ele está dando toda a sua essência a favor do homem, toda a sua plenitude, toda a sua vida…

 É por isso queridos irmãos que participar da Santa Ceia é uma chamada contra a indiferença. Não podemos participar deste momento com um sentimento de indiferença como se fosse apenas um rito ou algo normal, corriqueiro… Nãooooo!!! Jesus morreu por você querido irmão, ele te ama e quer que você lute contra a apatia em sua vida, contra a frieza espiritual, ele já fez a sua parte, ele já deu tudo que podia te dar para aproximá-lo, basta você reconhecê-lo em seus caminhos… ele te ama não seja indiferente ao seu amor por que ele não foi indiferente a teu respeito. Não feche seus olhos… assista esse vídeo e entenda que isto não foi um décimo do sofrimento real que sofreu por você...

video>>>

Jesus esta dizendo nesta noite que valeu a pena, valeu a pena, valeu a pena… faria tudo novamente pr você, mas ele não entende porque você está tão duro de coração, tão frio, ele diz volta…volta…

ministração….

Jesus quer fazer muitas coisas em sua vida mas é preciso que você se arrependa e de passos em direção a Ele….