2015/07/20

Cristo vive em Mim

"Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim". (Gálatas 2.20)

Esse texto do apostolo Paulo para mim é um dos mais teocêntricos de todos os textos de Paulo. Esse texto é um desafio para todos que realmente são cristãos ainda mais nesta cultura góspel dominante nos dias de hoje.. Em nossos dias o que predomina é um evangelho açucarado, feito algodão doce. Algo que não custa caro e que atrai desde as criancinhas aos mais idosos.

Mas, este evangelho de algodão doce, não consegue satisfazer a justiça de Deus nem os desejos essenciais do espírito humano. Uma vez apertado em uma das mãos, pouco resta, a não ser um punhadinho de açúcar.

O Evangelho de Cristo também é doce, mas é um Evangelho de carne e sangue. É uma mensagem carregada de paixão e que decreta a morte do pecador. O Evangelho deixa bem claro, que a única sentença para o pecador é a morte de cruz. A essência de sua mensagem é: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, segundo as Escrituras. 1 Coríntios 15.3-4. Um Evangelho que afronta o pecador, pois denuncia a sua transgressão e pronuncia a sua sentença. Também é a única mensagem de vida e poder.

O apóstolo Paulo dizia: A mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos é o poder de Deus. 1 Coríntios 1.18. Infelizmente este tipo de mensagem tem se tornado rara nos púlpitos de nossos dias. A preferência é pela mensagem que trata das necessidades dos homens e como Deus pode satisfazê-las.  Uma mensagem enfocada no homem e não em Deus. Porém, o Evangelho trata da vitória de Deus sobre o pecado e da glória do seu Reino. O Evangelho é a descrição dos fatos realizados por Deus por meio de Cristo, para que fossemos reconciliados com Ele.

Tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo... ou seja, que Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo, não levando em conta os pecados dos homens. 2 Coríntios 5.18-19.

Se os sermões e as mensagens estão vazias dos eventos salvíficos, onde mais os ouvintes poderão depositar a sua fé a não ser em questões referentes aos seus próprios interesses? Por esta razão cabe aos que tem conhecido o Evangelho da graça de Deus, se aprofundarem no inesgotável significado da nossa crucificação com Cristo.

Na época do Império Romano, quando alguém era condenado à crucificação significava que havia perdido o direito de existir. A cruz era um instrumento utilizado pelo Império Romano para expor à humilhação os seus piores inimigos. Era o símbolo máximo da vexação. Era um sinal do que aconteceria aos demais que desafiassem o poder de Roma. Normalmente a pena era imposta aos transgressores mais vis do Estado Romano: criminosos, rebeldes e estrangeiros. Um homem ao colocar a cruz sobre os ombros sabia que era o seu fim. Não haveria mais retorno à vida.

O apostolo Paulo começa dizendo: "Fui crucificado com Cristo" o que ele estava querendo dizer? Sabemos que como fato físico não era possível Paulo dizer que foi crucificado com Cristo, pois nessa época ele era um jovem ainda. Quando analisamos o contexto percebemos que Paulo estava tratando da justificação, isto é, de como um Deus justo pode declarar justos os homens injustos. Ele afirma que essa justificação procede não da lei, mas da graça mediante a fé. 

O apóstolo afirma que ninguém pode ser justificado pela lei; isso porque a lei condena o pecado e prescreve a conseqüência da morte como sua penalidade. Assim, a função da lei não é justificar, mas condenar.

 Estar crucificado com Cristo implica em experienciar estas situações:

1) Morto para o poder do pecado. Significa que o pecado não tem mais domínio sobre a minha vida. Pois a minha natureza de pecado foi crucificada e morta com Cristo.

 Pois, sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse destruído, e não mais sejamos mais escravos do pecado; pois quem morreu, foi justificado do pecado. Romanos 6.6-7. 

O corpo do pecado foi golpeado na cruz. Como dizia Watchman Nee, por causa dos feitos do corpo do pecado, Jesus sofreu com uma coroa de espinho, as suas mãos e seu lado esquerdo foram perfurados e os pés pregados na cruz. O castigo que nos traz a paz estava sobre ele.

2) Morto para a ação da Lei. Sou aceito por Deus não pelo cumprimento da Lei, mas pela fé no sacrifício de Cristo, que satisfez toda justiça de Deus. 

Assim, meus irmãos, vocês também morreram para a Lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerem a outro, àquele que ressuscitou dos mortos, a fim de que venhamos dar fruto para Deus. Romanos 7.4 

A Lei que agia como um intransigente marido sempre insatisfeito, perdeu o seu cônjuge. Ao passar pela cruz, um novo companheiro foi dado ao crente, cujo nome é Jesus.

3) Morto para a influência do mundo. Posso viver na contra mão da história. Não tenho necessidade de me adequar aos valores desse mundo, pelo contrário, devo coloca-lo de cabeça para baixo com a pregação do Evangelho.

 Quanto a mim, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo. Gálatas 6.14.

Por meio da cruz de Cristo estou separado do mundo e dos seus valores anti-Deus. Este já não tem mais o poder de me transformar em apenas um número do seu sistema. Quer seja econômico, social ou midiático. Deixei de ser uma "Maria vai com as outras" para ser um revolucionário.

4) Recriado para uma vida nova. Aqui entra o aspecto positivo da cruz.

 Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova. Romanos 6.4 . 

A partir da revelação da minha morte e ressurreição com Cristo não tenho necessidade de ficar preso aos fatores que marcaram a minha vida sem Cristo.

O passado e suas influências ficaram para trás. Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! 2 Coríntios 5.17. Faço parte de uma nova criação!

5) Recriado para a justiça. A injustiça é uma das características marcantes de uma natureza não regenerada: Ele mesmo levou em seu corpo, os nossos pecados sobre o madeiro, a fim de que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça. 1Pedro 2:24.

 A energia que era usada outrora para a prática do pecado é voltada para a prática da justiça. Vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos da justiça. Romanos 6.18.  Agora a justiça pode ser praticada em todas as dimensões da vida humana. Nas relações com os meus irmãos em Cristo, nas relações familiares e pessoais a justiça do Reino prevalece. Frente as injustiças sociais, minha atitude não precisa ser de indiferença, pois posso dar minha pequena contribuição. Através de pequenos gestos como doando roupas, alimentos e servindo os mais pobres, o mundo deixará de ser o mesmo.

6) Recriado para viver por fé. A jornada do crente é pelo caminho da fé, como também todo o seu progresso. O justo viverá pela fé. Romanos 1.17b.

Somente pela fé é que o regenerado se apropria dos inesgotáveis tesouros escondidos em Cristo Jesus. Nele encontramos tudo o que precisamos até completarmos a nossa carreira. O círculo da vida vitoriosa começa com fé: Fé – Palavra – Cristo - Vida Abundante. E assim sucessivamente.

Era por esta razão que o apóstolo Paulo não se cansava de dizer: Estou crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. Gálatas 2.19-20.

7) Recriado para expressar Cristo.

Deus quer fazer-se conhecido ao mundo através da manifestação da vida de Cristo em nós. Porque neste mundo somos como ele. 1 João 4.17. 

O segredo para exalarmos o bom perfume de Cristo é simples: Trazendo sempre em nosso corpo o morrer de Jesus, para que a vida de Jesus também seja revelada em nosso corpo. 2 Coríntios 4.10. 

Somos vasos de barro contendo um precioso tesouro. Ao levarmos a nossa crucificação a sério, a vida do Senhor é vista pelos olhos dos que nos cercam.  Isso acontece porque saímos da jogada, e quem entra em cena é o Senhor dos Senhores e Reis dos Reis. Aquele que é Excelso. Isto é maravilhoso, mas na sequencia deste versículo de gálatas onde o apostolo Paulo diz: que foi crucificado com Cristo, ele diz outra coisa no meu entender mais Maravilhosa ainda, mais poderosa, mais intrigante e inesquecível: ele Diz: já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim.

 Cristo vive em Mim... você já parou pra pensar nesta afirmação... Cristo vive em Mim... (Fala para o seu irmão ao seu Lado Cristo Vive em mim) Quase sempre pensamos em Cristo como uma Pessoa separada de nós mesmos que nos ouve e nos ajuda. O próprio Jesus, entretanto, na parábola da Videira e dos Ramos fala sobre a vida que Cristo vive em nós. "Eu sou a videira e vós sois os ramos," Ele diz em João 15:5.

Muitos vêem a Cristo como um Salvador que é separado e externo. Tais pessoas nunca poderão desfrutar da Sua salvação totalmente. Eu preciso crer no Salvador que vive dentro de mim. Eu preciso saber que da mesma maneira que Cristo está no Céu, Ele está dentro de mim, Seu ramo.

Ele está no mais íntimo da minha vida. Ele vive em mim, e por viver ali capacita-me a viver como filho de Deus. Alguns acham que quando Cristo habita dentro de nós Ele vive em algum lugar na região do coração. Eles pensam em uma pessoa separada dentro deles, que de vez em quando atua ali.

Esta não é a verdade. Cristo vive dentro de mim e se torna a minha própria vida! Ele entra na própria raiz do meu coração e do meu ser. Ele entra na minha vontade, pensamento, no meu viver, e vive em mim no poder que somente o Deus onipresente pode exercer.

É exatamente isto que as Escrituras está dizendo de uma maneira muito bonita e poética: "Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim" (Gl 2:19- 20).

É assim que Paulo resumidamente descreve o que aconteceu desde o dia em que o Salvador se revelou a ele no caminho de Damasco. Agora, Paulo reconhece que o "velho Saulo" já não vive mais, mas é Cristo que vive pelo poder do Espírito Santo nele. Trata-se de uma nova vida vivida agora pela fé e naquilo que Jesus fez por ele. Isto é o que chamamos de conversão. Naquele momento em que o Senhor se revelou a ele, Paulo reconheceu que tudo que ele pensava ser certo, toda a sua religiosidade que fez dele um homem tão íntegro e responsável, na verdade estava levando-o para um caminho completamente oposto ao de Deus. Ele, que se julgava um grande amigo de Deus, fazendo o melhor que podia para preservar a pureza daquilo que cria ser a sua vontade, viu-se como um inimigo do Senhor ao ouvir de Cristo: "Sou Jesus, a quem você está perseguindo".

Aquele encontro transformou radicalmente, e para sempre, a vida de Paulo. Ainda caído no chão, ouviu Jesus dizer a ele: "Agora, levante-se, fique em pé. Eu lhe apareci para constituí-lo servo e testemunha do que você viu a meu respeito e do que lhe mostrarei".

Paulo ergueu-se para iniciar uma nova jornada, uma nova vida, uma nova missão. Depois de passar três anos na Arábia, ele volta para Jerusalém e inicia seu longo ministério, proclamando as boas novas do Evangelho de Cristo ao mundo. Paulo tinha uma vida comum a muitas pessoas. Era um homem íntegro, zeloso e coerente com suas convicções, como alguns de nós. No entanto, quando Cristo se revelou como Filho de Deus e Salvador, ele se entregou completamente. As coisas velhas ficaram para trás; suas antigas ambições foram abandonadas, seus velhos princípios, valores e conceitos, também foram deixados para trás.

Não era mais o mundo quem determinava o certo ou o errado, nem mesmo sua consciência tinha a última palavra – o que lhe importava era Cristo, sua palavra, sua cruz, sua ressurreição, sua vontade. Foi uma experiência que mudou a compreensão que Paulo tinha do mundo e dos seus valores, alterando radicalmente sua cosmovisão e estabelecendo novos paradigmas que iriam conduzir sua vida, seus valores, princípios e trabalho. isto é conversão...

 O pastor Ricardo Barbosa de Souza, pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto, em Brasilia, "Temos perdido este conceito tão central e fundamental da conversão. O Cristo que queremos servir não é mais aquele que se revela a nós, mas um que criamos a partir daquilo que nos interessa.

A vida cristã não significa mais o "ser nova criatura", mas permanecer sendo a mesma criatura, com um leve toque de verniz religioso.

Não é mais a voz de fora que fala conosco, mas uma voz de dentro, um apelo nascido da vaidade, do medo, do egoísmo e dos desejos confusos e desordenados que povoam nossa natureza caída."

Precisamos resgatar o conceito de conversão irmãos, precisamos resgatar o Já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em Mim.. Isto significa que devemos lembrar diariamente que quando eu aceitei Jesus, eu morri para o mundo, e passei a viver para Ele, que os meus sonhos são d'Ele, os meus talentos e habilidades são d'Ele, o meu corpo é d'Ele, a minha mente é d'Ele, o meu coração é d'Ele, o meu tempo é d'Ele. Nada é meu, tudo é d'Ele!  Tudo o que sou devo à Ele; tudo o que faço, faço pra Ele. Todos os meus projetos visam engrandecer o Seu Nome. Tudo o que faço tem um único objetivo: fazer a vontade d'Ele!

Esse viver que agora tenho, eu vivo pela fé em Jesus, por acreditar que o Seu sacrifício na Cruz do Calvário por amor a mim é suficiente para me purificar de todo pecado, para me dar a Vida Eterna, para me conduzir da posição de inimigo de Deus à amigo de Deus, de escravo à livre. Essa vida que hoje vivo pela fé em Jesus, me eleva à posição de filho(a) de Deus por adoção, de povo de propriedade exclusiva de Deus, de nação santa, de princesa, de menina dos olhos de Deus.

Esse viver que agora tenho é um viver de renúncia aos prazeres do mundo para viver uma vida que agrade à Deus, uma vida de santificação, uma vida de oração, uma vida onde eu morro a cada dia para que Cristo viva em mim de tal forma que as pessoas ao olharem para mim não vejam a minha pessoa, mas veja Cristo em mim: na minha fisionomia, nas minhas palavras, nas minhas atitudes, no meu andar, enfim em tudo o que há me mim.

"Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim". (Gálatas 2.20)   (apelo)

 

ÁUDIO: https://www.mixcloud.com/1ipisjp/serm%C3%A3o-03052015/

Um comentário:

Jasfdossantos Santos disse...

Gosto muito desua passagem. Não vivo mais eu mas Cristo vive em mim .precisamos pregar a verdade pr . Lá em João 8.32 nos ensina e conhecereu a verdade é a verdade vos libertará.