2015/03/18

Somos o Povo da Cruz

I Pedro 2:9-10 "Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; vós, sim, que, antes, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia"

No dia 15 de fevereiro o mundo foi surpreendido com uma trágica noticia, o conteúdo dessa noticia chocou a comunidade cristã no mundo todo. O Estado Islâmico (é uma facção religiosa de extremistas muçulmanos fortemente armados que querem impor a religião islâmica a força e perseguem os cristãos violentamente) divulgou o vídeo com religiosos extremistas decapitando 21 cristãos egípcios, eu só conseguia pensar na profundidade da dedicatória que fizeram: "Ao povo da cruz".

Os 21 homens assassinados eram chamados de cristaos "coptas", a maioria egípcios que se mudaram para Líbia para trabalhar, cidadãos fortemente perseguidos por facções islamitas por terem se convertido ao cristianismo. O Estado Islâmico já havia atuado outras vezes na Síria e no Iraque, e agora, na Líbia, numa guerra declarada contra os cristãos.

A igreja copta foi fundada no Egito pelo Apóstolo Marcos, em 42 D.C é até hoje conhecida como a igreja copta do Egito. Atualmente, eles representam cerca de 90% dos cristãos da região. A cruz copta é o maior e mais característico símbolo desta igreja, e traz em seus quatro cantos os dizeres: "Jesus Cristo Filho de Deus". Ela tem quatro cores e cada um tem um significado diferente. O azul representa o peso da cruz, uma vez que durante o domínio muçulmano na região, os cristãos coptas eram forçados a carregarem grandes cruzes de ferro em torno de seus pescoços até que sua pele se tornasse azul. O vermelho representa o sangue dos mártires que foi derramado em séculos de perseguição. O contraste entre o amarelo e o preto representa a fé da igreja copta, que irá sempre brilhar em meio à escuridão da perseguição que eles sofrem desde o nascimento. Foram 21 homens desta igreja que foram decapitados por membros do Estado Islâmico em imagens divulgadas no mês passado. No vídeo divulgado pelo grupo, as vítimas foram taxadas como 'O povo da cruz'

 Hoje temos visto muitas pessoas, muitos cristãos se denominando nas redes sociais como o povo da Cruz fazendo referencia a dedicatória dada aos nossos irmãos martirizados... Alias os terroristas do Estado Islâmico, não poderiam ter escolhido melhor dedicatória para honrar aqueles homens quanto ao próprio Deus... realmente eles eram o filhos da Cruz. Aqueles 21 coptas e tantos outros que foram e estão sendo martirizados foram escolhido por Deus para exaltar a sua grandeza. Eles foram raça eleita, eles obtiveram sacerdócio real, estes com certeza fizeram parte da nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, eles proclamaram as virtudes daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. O Senhor Deus já os havia contemplado na eternidade. Apocalipse 20:4 "Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus..."

O povo da Cruz é um povo sepultado. Ele já esta morto. É um povo que já entendeu que para estar vivo é preciso se entregar pra ser morto. Lucas 9:24 "Pois quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; quem perder a vida por minha causa, esse a salvará".

Fico pensando que hoje diante deste evangelho que tem sido pregado de satisfação pessoal, de conquista, de vitória, evangelho esse ensinado pelos pregadores da prosperidade o martírio se tornou uma aberração. Morrer por Cristo se tornou uma coisa, com o perdão da palavra, uma coisa idiota, sem nexo.

O texto do Evangelho de Marcos 8.34, descreve que Jesus Cristo chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Este texto parece que esta fora do nosso tempo. Negar a si mesmo é ser desprovido de todo sentimento faccioso como a inveja, vaidade, ciúmes, avareza, soberba, concupiscência da carne, lascívia, ira, desejo de vingança, vícios e outros sentimentos abomináveis ao Senhor. Negar a si mesmo é oferecer o outro lado da face, é perdoar e amar os vossos inimigos, bendizer os que vos maldizem, fazer bem aos que vos odeiam e orar pelos que vos maltratam e vos perseguem. É Ter a mesma humildade de Cristo, andar em santidade como Ele andou, guardando os seus mandamentos fazendo a vontade do Pai. Isso é negar a si mesmo.

Tomar a sua cruz é assumir o compromisso definitivo com o Evangelho de Cristo, é o arrependimento, a conversão, o abandono do pecado, é entregar-se a inteira dispensação do Senhor, cumprindo os mandamentos de Cristo e fazendo a vontade do Pai. Tomar a sua cruz é imitar o gesto do homem de Deus, o qual, sob o completo domínio de Cristo, disse: Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim (Gálatas 2.20). Tomar a sua cruz é amar a Deus acima de todas as coisas e ao seu próximo como Cristo nos amou, se necessário, dar a sua vida por ele. Tomar a sua cruz é entrar pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem. Mateus 7.13-14; Lucas 14.33 - Disse Jesus: Assim, pois, qualquer de vós que não renunciar a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.

A vida do povo da cruz é sim uma vida de renuncia. O que esses pregadores da prosperidade esqueceram de ensinar é que a igreja cristã e a palavra de Deus principalmente o Novo testamento foram forjados  no fogo da perseguição e do martírio.

Estêvão estava pregando o evangelho em Jerusalém durante a Páscoa após a crucificação de Cristo. Ele foi expulso da cidade e apedrejado até a morte. Cerca de 2.000 cristãos sofreram o martírio durante este tempo (cerca de 34 dC). 

Tiago, filho de Zebedeu e irmão mais velho de João, foi morto quando Herodes Agripa chegou como governador da Judeia. Muitos discípulos da antiguidade foram martirizados sob o regime de Agripa, inclusive Timão e Pármenas (cerca de 44 dC). 

Filipe, um discípulo de Betsaida, na Galileia, sofreu o martírio em Heliópolis, na Frígia. Ele foi açoitado, lançado na prisão e depois crucificado (cerca de 54 dC). 

Mateus, o cobrador de impostos de Nazaré que escreveu um evangelho em hebraico, estava pregando na Etiópia quando sofreu o martírio pela espada (cerca de 60 dC). 

Tiago, irmão de Jesus, administrou a igreja primitiva em Jerusalém e foi o autor de um livro da Bíblia. Na idade de 94, ele foi espancado e apedrejado, até que finalmente teve seu cérebro esmagado com um porrete. 

Matias foi o apóstolo que substituiu Judas Iscariotes. Ele foi apedrejado em Jerusalém e então decapitado. 

André, irmão de Pedro, pregou o evangelho por toda a Ásia. Em sua chegada a Edessa, foi preso e crucificado em uma cruz, duas extremidades da qual foram fixadas transversalmente no chão (daí o termo, Cruz de Santo André). 

Marcos converteu-se ao Cristianismo por influência de Pedro, e depois transcreveu no seu Evangelho a narrativa de Pedro sobre Jesus. Marcos foi arrastado  e feito em pedaços pelo povo de Alexandria, na frente de Serapis, seu ídolo pagão. 

Pedro foi condenado à morte e crucificado em Roma. Jerônimo afirma que Pedro foi crucificado de cabeça para baixo, a seu pedido, porque ele disse que era indigno de ser crucificado da mesma maneira que o seu Senhor. 

Paulo sofreu a primeira perseguição sob Nero. Devido ao impacto de conversão que ele estava tendo sobre as pessoas à face do martírio, ele foi levado a um lugar privado fora da cidade onde acabou entregando seu pescoço à espada. 

Judas, o irmão de Tiago, era comumente conhecido como Tadeu. Ele foi crucificado em Edessa cerca de 72 dC 

Bartolomeu traduziu o Evangelho de Mateus na Índia. Ele foi cruelmente espancado e crucificado pelos idólatras de lá. 

Tomé, chamado de o Dídimo, pregou na Pártia e na Índia. Ele foi morto por sacerdotes pagãos com uma lança que atravessou o seu corpo. 

Lucas foi o autor do Evangelho em seu nome. Ele viajou com Paulo através de diversos países e foi supostamente enforcado em uma oliveira pelos sacerdotes idólatras da Grécia. 

Simão, de sobrenome Zelote, pregou na África e na Grã-Bretanha, onde foi crucificado em cerca de 74 dC. 

TIMÓTEO Segundo a tradição eclesiástica Timóteo foi o primeiro bispo de Éfeso e diz que ele morreu ali martirizado quando João estava exilado na ilha de Patmos. Ele foi morto a pauladas por uma turba de idolatras que se encaminhavam para o templo para oferecerem sacrifícios aos deuses. E o que falar de Barnabé, INÁCIO DE ANTIOQUIA, POLICARPO-BISPO DE ESMIRNA, JOHN HUSS

Talvez você pense que as coisas mudaram hoje... Mas o século 21 também iniciou-se sob o sinal de inumeráveis mártires. Cresce a cada dia o número de cristãos torturados, mortos ou expulsos de suas terras por causa de fé em Cristo. Em 2001, o investigador britânico Dr. David Barrett publicou uma vasta estatística sobre a situação do Cristianismo no mundo, a chamada "World Christian Trends AD 30 – AD 2200″ (Tendências Mundiais Cristãs AD 30 – AD 2200).  Essa pesquisa foi feita ao longo de 20 anos em 239 países, 13 mil povos etnolinguisticos em 9 mil denominações; Entre os dados, encontramos o alarmante número de cristãos assassinados pelo mundo. 45 milhões foram mortos só no século 20 sob as grandes revoluções e regimes totalitários. Atualmente, cerca de 160 mil cristãos foram martirizados só no início seculo, o que, segundo Barrett, corresponde a 1 cristão assassinado a cada 5 minutos. São milhares de cristão martirizados, em pleno século 21, em países como Coreia do Norte, Irã, Sudão, Paquistão, Afeganistão, entre outros.

Um caso típico desta perseguição acontece no Iraque, onde, antes da invasão dos Estado Unidos da América e a queda do regime de Sadan Hussein, o número de cristãos era de 3 milhões; hoje, somam-se, no máximo 400 mil, ou seja, mais de 90% desses nossos irmãos estão deixando sua terra por causa da perseguição de grupos radicais islâmicos que destroem igrejas e matam cristãos.

Um outro caso bem conhecido é o da paquistanesa Asia Noreeen Bibi, cristã e mãe de 5 filhos, que foi condenada pela lei da blasfêmia. O caso ocorreu quando Asia foi buscar água em um poço comunitário.

Mulheres muçulmanas protestaram, dizendo que ela, por ser uma cristã, "contaminaria a água" e exigiu que se convertesse ao islã. Asia Bibi se recusou, dizendo: "Cristo morreu por mim e pela humanidade. E Maomé, o que fez por vocês?". Ela foi presa e condenada à morte por esse ato... Repasso neste momento a carta que ela enviou para os seus familiares.

Meu querido Ashiq (esposo), meus queridos filhos,

É uma grande provação, estas que tereis de enfrentar. Esta manhã, fui condenada à morte. Confesso-vos que, quando ouvi o veredicto, chorei, mas no fundo não fiquei surpreendida. Não estava à espera de clemência nem de coragem por parte dos juizes, que se submeteram às pressões dos mulás e do fanatismo religioso. Desde que voltei à minha cela e sei que vou morrer, todos os meus pensamentos vão para ti, meu Ashiq, e para vós, meus filhos adorados. Censuro-me por vos deixar sozinhos em pleno turbilhão.

A ti, Imram, meu filho mais velho de dezoito anos, desejo-te que encontres uma boa esposa e que a faças feliz tal como o teu pai me fez a mim.Tu, Nasima, minha filha maior de vinte e dois anos, já encontraste um marido, a família dele e uns sogros acolhedores; dá ao teu pai os netos que irás criar na caridade cristã como nós sempre fizemos.Tu, minha doce Isha, tens quinze anos, mas nasceste com falta de entendimento. O papá e eu sempre te considerámos uma dádiva de Deus, tão boa que és e tão generosa. Não deves perceber porque é que a mamã não está aí, ao pé de ti, mas estás presente no meu coração, tens sempre lá um lugar especialmente reservado, somente para ti. Sidra, tens apenas treze anos e eu sei que, desde que estou na prisão, és tu que tratas das coisas da casa, és tu que tomas conta de Isha, a tua irmã, que tanto precisa de ser ajudada. Censuro-me por obrigar-te a uma vida de adulta, tu que és tão pequena e que ainda devias brincar com bonecas. Tu, minha pequena Isham, tens apenas nove anos e já vais perder a tua mamã. Meu Deus, como a vida é injusta! Mas visto que irás continuar a frequentar a escola, estarás mais tarde habilitada a defender-te perante a injustiça dos homens.
Meus filhos não percais a coragem, nem a fé em Jesus Cristo. Há-de haver dias melhores nas vossas vidas.

Mas, por favor, peço-vos a todos os cinco que sejais prudentes, que não façais nada que possa ultrajar os muçulmanos ou as normas deste país. Minhas filhas, gostaria muito que tivésseis a sorte de encontrar um marido como o vosso pai.

Ashiq, amei-te desde o primeiro dia, e os vinte anos que passámos juntos são a prova disso mesmo. Nunca deixei de agradecer aos céus a sorte de te ter encontrado, de ter tido a possibilidade de casar por amor e não um matrimónio combinado, como acontece na nossa região. Os nossos dois feitios sempre combinaram um com o outro, mas o destino estava à nossa espera, implacável… Criaturas infames atravessam-se no nosso caminho. Estás agora sozinho perante o fruto do nosso amor, mas deves manter a coragem e o orgulho da nossa família.

Meus filhos, desde que estou encerrada nesta prisão, ouço as descrições de outras mulheres para quem a vida também se mostrou muito cruel. Posso dizer-vos que tivestes a sorte de conhecer a vossa mãe, a alegria de viver do nosso amor e da nossa coragem para trabalhar. Sempre tivemos o supremo desejo, o pai e eu, de sermos felizes e de vos fazermos felizes, embora a vida não fosse fácil todos os dias. Somos cristãos e somos pobres, mas a nossa família é uma grande riqueza. Gostaria tanto de vos ver crescer, educar-vos e fazer de vós pessoas honestas – mas sê-lo-eis certamente! Sabeis a razão por que vou morrer e espero que não me censureis por partir assim tão depressa, porque estou inocente e não fiz nada daquilo que me acusam. Tu sabes que é verdade, Ashiq, tal como sabes que sou incapaz de violência e de crueldade. Às vezes, porém, sou teimosa.

Por aquilo que calculo, não vai demorar muito. Em poucos minutos, fui condenada à morte. Não sei ainda quando me irão enforcar, mas podeis estar tranquilos, meus amores, irei de cabeça levantada, sem medo, porque serei acompanhada por Nosso Senhor, que vai receber-me nos seus braços. Meu bom marido, continua a educar os nossos filhos como eu gostaria de fazer contigo. Ashiq, meus filhos bem-amados, vou deixar-vos para sempre, mas amar-vos-ei eternamente. Asia Noreeen Bibi. homens de que o mundo não era digno! Hebreus 11:38

 Estes nossos irmãos pagam um preço por serem cristãos e nem por isso abandonam a sua fé. Eles nos ensinam como amar Deus e como ser perseverante". Aqui, no Brasil, nós temos uma gama de cristãos muito "dodóis" que, por qualquer coisa, desistem de sua fé, desistem de sua comunidade, de seus ministérios.  Muitos que se dizem "da cruz" ou "cristãos", não crêem realmente  em Jesus! Não estão dispostos a nem a matar a sua própria carne, quanto mais renunciar alguma coisa em nome dele. Vivem como que se ser cristão resumisse em frequentar os cultos de domingo. Vida de oração zero, vida devocional zero.

A geração de hoje tem engolido cada besteira saindo da boca de seus líderes do tipo: "Deus quer que você seja um empresário", "Deus vai te fazer próspero" e depois ouve-se em coro um forte "Aleluia!" ou um "Eu recebo!".

Os cristãos estão buscando em Deus um emprego bacana, uma casa bem grande com carro na garagem e uma moça (ou rapaz) legal para casar. O mundo tem vendido uma mentira de materialismo, e nós temos comprado. Essas coisas estão inflamando a cabeça das pessoas, e o desejo de alcançarem esses objetivos tem concorrido acirradamente com a vontade de agradar a Deus (se é que ela ainda existe). O desejo de conforto, riqueza, felicidade, bens materiais vão ser a maior luta das nossas vidas. Será a maior batalha que enfrentaremos nestes dias atuais como cristãos.

Porque a vida terrena cada vez mais exige isso, e de vez em quando vai aparecer algum líder tentando enfiar essa ideia do inferno na cabeça de algum cristão. É na prosperidade que os homens acham que não precisam de Deus porque o dinheiro se torna o deus deles.

Se existe um futuro que realmente importa este futuro é o lugar onde passaremos a eternidade. Não há nada errado em estudar e trabalhar desde quando estudando e trabalhando não esqueçamos que tudo aqui é passageiro. O que realmente tem valor aqui na Terra é sermos testemunhas de Cristo e ganhar almas, porque depois que tudo acaba a única coisa que permanece são as almas. E se eu chegar ao último dia sem ganhar uma alma sequer, me considerarei fracassado. Porque o único trabalho aqui neste mundo a qual fomos designados é demonstrarmos a gloria de Deus em nossas vidas para que essa gloria alcance as almas que precisam de salvação. Não é ser bem sucedido. Não é alcançar a minha satisfação pessoal.

Posso com toda certeza afirmar uma coisa: Deus se importa muito mais com sua santidade do que com a sua felicidade. Jesus não morreu para eu ser apenas uma pessoa feliz, mas o seu sacrifício por mim me remete a também uma vida de imitação  e renuncia como discípulo dessa Cruz. E é isso que precisamos entender. Se buscamos Jesus para alcançarmos a felicidade então temos uma boa chance de sermos decepcionados porque estamos com o propósito errado. Olhemos para os homens e mulheres encontrados em Hebreus 11. "Pela fé eles lutaram contra nações inteiras e venceram. Fizeram o que era correto e receberam o que Deus lhes havia prometido. Fecharam a boca de leões, apagaram incêndios terríveis e escaparam de serem mortos à espada. Eram fracos mas se tornaram fortes. Foram poderosos na guerra e venceram exércitos estrangeiros. Pela fé mulheres receberam de volta os seus mortos que ressuscitaram. Outros foram torturados até a morte; eles recusaram ser postos em liberdade a fim de ressuscitar para uma vida melhor. Alguns foram insultados e surrados; e outros acorrentados e jogados na cadeia. Outros foram mortos a pedradas; outros, serrados pelo meio; e outros, mortos à espada. Andaram de um lado para outro vestidos de pele de ovelhas e de cabras; eram pobres, perseguidos e maltratados. Andaram como refugiados pelos desertos e montes, vivendo em cavernas e em buracos na terra. O mundo não era digno deles." Hb 11:33-38. 

Sofreram tudo por amor a Cristo. A única alegria que eles tinham estava na glória eterna. Eles não estavam interessados neste mundo. Viveram com os olhos fixos na cidade eterna. Não usaram a bíblia para justificar a busca pelas riquezas. Eram pobres e não ricos. Eram maltratados e perseguidos, não tinham o mínimo de conforto. Mas, Preferiram morrer em santidade do que viver em iniquidade. É verdade! Somos, sim, o povo da cruz! O povo escolhido... eu sou, você é também.

 Somos sim o povo da cruz só que esse povo da cruz não cobre o rosto, não elimina, não trucida, não aniquila, não corta cabeças, pois o Cristo da cruz já esmagou a cabeça da serpente!

O povo da cruz não serve a um "deus"(?) com sede de sangue, que mata crianças, incendeia casas, sequestra trabalhadores e humilha mulheres – e tudo isso sob a estranha desculpa da "doutrina". O povo da cruz não vive corre atrás de riquezas e mordomias, pois é um povo que esta de passagem. O povo da cruz valoriza muito mais os laços familiares do que as conquistas pessoais. O povo da cruz tem erros, tem falhas, já, mas tem vivido o perdão de Deus. Tem lutado por justiça ao longo da história, tem olhado para a cruz não como um poderoso instrumento de tortura e morte, mas sim, como um símbolo poderoso de reconciliação, salvação e graça. O povo da cruz tem esperança: a cruz não é o fim, é o começo! Por causa da cruz temos o túmulo vazio! Alguém disse que "o melhor favor que você pode prestar a uma semente é sepultá-la" – o povo da cruz sabe disso! O povo da cruz tem uma certeza inabalável: nunca seremos separados do amor de Cristo nem a Morte tem esse poder

"Quem fará alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Foi Cristo Jesus que morreu; e mais, que ressuscitou e está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: 'Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro'. Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou." (Rm. 8. 33-37)

Se o poder do Estado Islâmico é matar, o do povo da cruz é morrer! A morte do povo da cruz não é o final, é o começo! Quando as cabeças rolam e os corpos caem e, por trás da covardia dos rostos ocultos dos carrascos um sorriso cínico se arma, é deflagado o grito de vitória através das palavras de Paulo ecoa por toda a Humanidade:

Quanto a mim, no entanto, que eu jamais venha a me orgulhar, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio da qual o mundo já foi crucificado para mim, e eu para o mundo.Gl 6.14 porque para mim Porque para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro! Filpisense 1.21 "

SIM! Nós somos o povo da cruz!!!!!

Áudio: https://www.mixcloud.com/1ipisjp/serm%C3%A3o-de-01032015/

2 comentários:

jonas disse...

ola paz do senho pasto qui deus te guade
amee boa esta palavras aprende tbm para prega na minha igreja

Jéssika Alves disse...

Lindo texto, lindas palavras, lindas verdades. Realmente é um choque de realidade, ver que estava muito longe do verdadeiro cristianismo. Que Deus continue usando sua vida Pastor.